quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Município de Cantanhede tem graves problemas financeiros


Escrito por José Carlos Silva
Cantanhede
“Município tem graves problemas financeirose de endividamento”
O financiamento de 16 milhões de euros proposto pelo executivo camarário de Cantanhede para o saneamento financeiro da autarquia, aprovado na última reunião da Assembleia Municipal, foi fortemente criticado pelos deputados da bancada socialista. Apesar de se absterem na votação, os socialistas não deixaram de referir que tal plano de saneamento financeiro demonstra, claramente, um município «com graves problemas financeiros» e «graves problemas de endividamento».Na sua declaração de voto, os socialistas lembram o que referiram «inúmeras vezes no último mandato», ou seja, que a Câmara «tinha esgotado a sua capacidade de endividamento» de médio e longo prazo. Pelo contrário, sublinhou o líder da bancada socialista, «este executivo sempre quis passar a mensagem e a imagem de boa saúde financeira do município». Os socialistas lembraram, ainda, que no anterior mandato, «mas pelo mesmo executivo», a Câmara já tinha contratado um empréstimo de 7,5 milhões de euros e leasings imobiliários «para a construção dos parques desportivos».Os deputados da oposição chegaram mesmo a citar o documento do plano de saneamento financeiro elaborado pelo executivo de João Moura, onde se diz que o município está impedido «por imperativo legal» de recorrer a empréstimos para a realização de investimentos «porque não respeita, em 30 de Novembro, os limites de endividamento líquido e de médio e longo prazo». E na página seguinte do documento, lembram os socialistas, diz-se que a Câmara de Cantanhede tem um problema de desequilíbrio conjuntural de tesouraria «que só pode resolver com o recurso a uma operação de saneamento financeiro».Neste documento, de acordo com os deputados da bancada socialista, «vem espelhado» o montante de quase 30 milhões de euros de dívidas de curto, médio e longo prazo, «possuindo a Câmara e a Inova (empresa municipal) um passivo de 54 milhões de euros».Os socialistas esmiuçaram o passivo do município e verificaram que em apenas 11 meses «as dívidas a fornecedores de curto prazo aumentaram quase 10 milhões de euros», e sustentam que com este plano de saneamento os próximos 12 anos ficarão hipotecados. «Ficará a Câmara a ter de pagar à banca mais de dois milhões de euros por ano só relativamente a este empréstimo», acusam.E caso o Tribunal de Contas aprove este plano, afirmam os socialistas, o município de Cantanhede estará obrigado a um conjunto de medidas tendentes ao reequilíbrio financeiro, nomeadamente medidas de contenção da despesa corrente e despesa com o pessoal. E perguntam: «Como pensa este executivo reduzir a despesa corrente e a despesa com o pessoal?».“Poupança do município a decrescer”Finalmente, a bancada socialista “usou” o próprio esclarecimento do autor do estudo do plano de saneamento financeiro (encomendado pela Câmara), o qual referiu que este empréstimo «não se destina a investimento, é apenas para “arrumar a casa”, pagar as dívidas de curto prazo, transferindo esse pagamento para médio/longo prazo, dos 12 anos previstos pelo empréstimo».Relativamente ao orçamento e opções do plano para 2010, a bancada socialista afirma que o executivo camarário apresenta um orçamento com um crescimento negativo de 2% «relativamente ao orçamento corrigido de 2009» e garante que a despesa corrente «continua a crescer e a poupança do município a decrescer». Ou seja, para os socialistas, o equilíbrio orçamental «é conseguido através da venda de bens de investimento no valor de 17 milhões de euros».Quanto às grandes opções do plano, os socialistas não têm dúvidas: «Assiste-se ao adiar de obras», como a construção da Escola de Artes de Cantanhede e do Auditório Municipal; a variante de Febres «que já vem desde o ano 2000», a circular urbana de Cantanhede, a requalificação da zona envolvente à nascente dos Olhos de Fervença… «Obras que não serão feitas em 2010, pois a maior parte delas aparece com a quantia de 1 euro».

16 milhões são absolutamentecruciais para aproveitar QRENO PSD declarou que a operação de saneamento financeiro que a Câmara de Cantanhede se propõe realizar «é um acto de gestão normal» e que deve ser interpretado à luz do actual quadro «de fortes limitações» com que as autarquias estão confrontadas «para disporem de fontes de financiamento destinadas a investimento».Trata-se – defende o PSD – de proceder à reestruturação da dívida, no sentido de a reprogramar do curto para o médio e longo prazo. «Com esta medida mantém-se o valor total da dívida e obtém--se um encaixe financeiro de 16 milhões de euros que cria condições para a autarquia tirar bom partido dos fundos comunitários do QREN», justifica o PSD, acrescentando que, neste contexto, os 16 milhões que a autarquia vai dispor com a operação de saneamento financeiro «são absolutamente cruciais para aproveitar as oportunidades de financiamento aprovado pelo QREN», uma vez que as comparticipações comunitárias, «só chegam aos cofres da autarquia numa fase posterior». Nesta perspectiva, o executivo camarário (PSD) recorda que o município tem aprovadas ou em vias de aprovação pelo QREN «candidaturas relativas a investimentos na ordem dos 30 milhões» e, nesta óptica, «tem de ter ao seu dispor fundos próprios para avançar com a sua execução».Quanto ao orçamento, o PSD contrapõe que este [orçamento] reflecte, claramente, «um grande esforço no sentido de limitar as despesas correntes ao cumprimento das funções que competem à autarquia» e a preocupação «em prosseguir com o programa de investimentos em importantes infra-estruturas e equipamentos colectivos. J.C.S.

Fonte: Diário de Coimbra

Ministério limita progressão dos professores com vagas apertadas


O documento enviado hoje pelo Ministério da Educação (ME) aos sindicatos chama-se "Acordo de Princípios" para a revisão do estatuto da carreira docente e da avaliação de desempenho, mas dificilmente terá a assinatura dos parceiros. A existência de vagas limitadas no acesso a três dos 10 escalões da carreira é um dos pontos mais polémicos.

De acordo com a proposta do ME, a progressão para o 3º, 5º e 7º escalões está condicionada pela definição anual de lugares. Sendo que, para 2010, apenas deverá existir lugar para 30% dos candidatos ao 7º escalão. Em relação aos níveis inferiores, com salários mais baixos, a margem é maior: 80% dos candidatos ao 3º escalão devem conseguir vaga, o mesmo acontecendo com metade dos que reúnem condições para passar ao 5º.

O preenchimento dos lugares faz-se de acordo com uma lista graduada, que ordena os professores em função dos resultados da avaliação e outros elementos.

Ministério não abdica de quotas
Já os docentes que obtenham as notas de Muito Bom e Excelente não terão de se preocupar com este constrangimento, uma vez que essas classificações dão acesso garantido a esses escalões. O documento não faz qualquer referência a quotas para a atribuição destas notas mais elevadas, mas os responsáveis do ME já garantiram que não abdicam de aplicar este mecanismo de controlo, uma vez que existe em toda a Administração Pública.

Não falando em percentagens, o texto do ME remete o assunto para "regulamentação" posterior.

Em resposta às críticas dos sindicatos, a tutela admite apenas que os professores avaliados com Bom que tenham sido impedidos de progredir por causa das vagas, ganhem prioridade no acesso àqueles lugares no concurso seguinte.

Outra das condições obrigatórias para aceder ao 3º e 5º escalões, bem como para conseguir notas mais elevadas (Excelente e Muito Bom), traduz-se na observação de pelo menos duas aulas ao longo do ano lectivo.

Avaliação de dois em dois anos
Na proposta do ME prevê-se que a avaliação de desempenho dos professores se realize em ciclos de dois anos lectivos, sendo essencialmente baseada num relatório de auto-avaliação, "com regras de elaboração simplificadas e padrões mínimos de uniformização". A avaliação final é assegurada por um júri, composto por professores do conselho pedágógico.

O relator, que assume o papel principal na avaliação, tem de pertencer ao mesmo grupo de recrutamento do avaliado e não pode ter um posicionamento na carreira inferior.

Quanto à duração da carreira, o ME propõe que cada um dos 10 escalões tenha a duração de quatro anos, à excepção do 5º, onde os docentes ficam apenas dois anos. Tudo somado, um professor com um percurso "normal" e que não seja travado pelas vagas demorará 34 anos a chegar ao topo. Mas poderá alcançá-lo mais cedo se acumularem as notas mais elevadas, recebendo uma bonificação de tempo para a progressão.

Fonte: EXPRESSO

Porquê esconder que o problema é só e apenas só uma questão de o ministério pagar menos?? Este ministério é aquele que mais funcionários tem e portanto há que reduzir de qualquer maneira os "gastos". Não interessa como, não interessa criar conflitos, não interessa se somos todos prejudicados, não interessa hipotecar o futuro, não interessa desmotivar os docentes, não interessa a pedagogia, não interessa o sucesso do alunos, não interessam as condições das escolas, não interessa se não conseguimos acompanhar os outros países.... nada interessa! Só e só reduzir os "gastos". Mas era bom que todos pensassem que "gastos" são estes? A bem da democracia, do sucesso e do desenvolvimento efectivo deste País este "gasto" não devia ser interpretado como um ganho???

O dinheiro de alguns de nós (aqueles que não fogem aos impostos) devia ser para este tipo de "gastos" que mais tarde ou mais cedo beneficiará todos (mesmo os que não merecem ou seja aqueles que não pagam os devidos impostos). Na verdade se todos pagassem os seus impostos, qualquer primeiro ministro teria melhores soluções. Mas pagar impostos também é uma opção política. Ou seja façam-se leis que prendam e multem forte e feio quem não paga e foge aos impostos. Porque quem não paga ou foge aos impostos não está só a roubar a sociedade está a roubar-nos também. Mas são opções políticas, e as actuais preferem "roubar" ao trabalho e não penalizar quem prevarica.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

CANTANHEDE - MUNICÍPIO TEM GRAVES PROBLEMAS FINANCEIROS E DE ENDIVIDAMENTO


Os políticos que governam o nosso país dividem-se basicamente em duas classes, salvo alguns poucas e honrosas excepções; ou são manifestamente incapazes ou manifestamente capazes de tudo. Hoje não se governa para o país ou para o município, não se governa para o povo. Os partidos do sistema tornaram-se em poderosas máquinas de interesses, em agências de trabalho e já não são eles que detêm o poder mas sim os poderosos lobbys de quem se tornaram reféns. Depois, grande parte das obras públicas é pensada com fins eleitoralistas, não cumprindo com a sua verdadeira função.
Em Cantanhede e em cause todas as autarquias do país o panorama é mesmo, pelo que o que devia ser noticiado seriam os poucos casos (se é que os há) de boa saúde financeira.
Bem prega o Frei Tomáz do PS, mas não olha para o que faz noutros locais e provavelmente à mesma hora em que as criticas foram feitas um autarca do PSD criticava um autarquia PS pelas mesmíssimas razões. É o teatro do sistema, onde uns fazem de oposição e outros de governo, alterando e alternando nos papéis para manter o povo dócil e como mero espectador.
Nós os nacionalistas defendemos que o povo deve intervir deve fazer sentir a sua voz e a sua força, deve abandonar a manda e transformar-se num lobo, de forma e remeter para os compêndios de historia esta classe politica que nos governa nesta longa noite partidocrática.
Queremos no poder políticos que sirvam o povo e a nação.

«Um dia os operários viverão como hoje os burgueses mas sobre eles viverá a casta superior; esta será mais pobre e mais simples mas possuirá o poder».

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

"Depois das Aulas" - Adolescentes dominados pela Internet

"Depois das Aulas" é um filme que nos mostra como as imagens vouyeristas colocadas na Internet podem marcar terrivelmente as relações sociais dos adolescentes.
A acção do filme que estreia hoje nos cinemas nacionais decorre no ambiente elitista de um colégio interno norte-americano. Robert é um rapaz de 18 anos, um pouco introvertido, que passa horas a vasculhar sites cheios de imagens de violência e sexo.
Motivado em parte por essa sua paixão pela captação de imagens, o rapaz decide fazer um curso de vídeo. Um dia, enquanto procura captar cenas do quotidiano da sua escola, depara-se com duas raparigas, as gémeas mais populares do colégio, a morrerem de overdose à sua frente. Robert filma a cena toda com grande frieza.
Mais tarde descobre-se que as raparigas haviam acabado de consumir cocaína na casa-de-banho e que a droga estava adulterada com veneno para ratos, o que causou a sua morte. Primeira longa-metragem de António Campos
Ingenuamente, uma professora pede a Robert que realize um pequeno vídeo sobre as colegas falecidas, esperando que daí resulte uma espécie de homenagem, que contribua para os alunos da escola lidarem com o processo de luto.
Mas o rapaz tem ideias radicalmente diferentes. Ele sabe que quem vendeu a droga fatal foi o seu colega de quarto, o mesmo que lhe roubara a namorada, e em vingança decide fazer um filme devastador.
"Afterschool - Depois das Aulas" é a primeira longa-metragem de António Campos, o nova iorquino descendente de brasileiros, que levara anteriormente a cabo "Buy It Now", uma curta-metragem sobre uma adolescente que colocou a sua virgindade à venda no Ebay
Neste filme, António Campos volta a focar a relação dos adolescentes com a Internet, usando para tal o ambiente snob de um colégio interno de Nova Inglaterra, onde a imaturidade própria da adolescência é acentuada pelos alunos se acharem acima das normas sociais.
Fonte: Alexandre Costa (www.expresso.pt)
9:20 Quinta-feira, 10 de Dez de 2009

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Cantanhede recebe sábado prova nacional de ginástica

O pavilhão do Marialvas, em Cantanhede, recebe no sábado, a partir das 15h00, o “V Campeonato Nacional de TeamGym”, prova do calendário nacional da Federação de Ginástica de Portugal (FGP) que conta com a participação dos melhores atletas e dos mais prestigiados clubes nacionais da modalidade.

FONTE

Ilustre Pedro Teixeira

Brasil: Sessão especial do Senado homenageia português Pedro Teixeira, o "conquistador da Amazónia"

Brasília, 10 Dez (Lusa) - O Senado brasileiro homenageia hoje em sessão especial o militar e navegador português Pedro Teixeira, um dos principais vultos da História de Portugal e Brasil e, ao longo de quatro séculos, um herói desconhecido.

A iniciativa é do senador Aloísio Mercadante e o objectivo é resgatar a memória de Pedro Teixeira, incluindo-a no Livro dos Heróis da Pátria, no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves.

"Pedro Teixeira é um herói esquecido da historiografia brasileira e portuguesa, porque a sua epopeia foi apagada na época do domínio espanhol. Mas queremos recuperar isto", disse à Lusa Aloísio Mercadante, do Partido dos Trabalhadores (PT), que subscreve o projecto-lei na origem da homenagem de hoje.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Propostas construtivas




Há alguns anos, quando estive na Câmara Municipal, propus ao então presidente (entre muitas outras coisas) que recuperasse os depósitos de água da nossa cidade, pintando-os ou por exemplo transformar o que está no centro da cidade num posto de turismo. Ficava com uma vista fantástica para quem nos visitasse e poderia ainda oferecer um pequeno bar com livros, Internet e galeria de arte. Na altura achou que se devia recuperar estes edifícios e achou que seria melhor um museu da água. A mim pareceu-me pequeno para um museu, mas enfim... o que interessa é que até hoje, ali está, abandonado! Amigos munícipes, vamos forçando, com ideias criativas, os nossos autarcas, esperando que nos ouçam.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

15 ideias para educar pestinhas

Professores, pediatras e psiquiatras vêem a disciplina enquadrada numa relação baseada no encorajamento e na recompensa. Acreditam que se houver uma relação de confiança recíproca haverá pouco espaço para o castigo. Os pais, que quase todos os dias mordem os lábios para não reagir a quente quando os seus filhos teimam nas birras, têm outra opinião. Educar não é fácil e disciplinar também não... Eis 15 ideias para educar sem gritos.


1. Ensine inteligência... emocional. Mais importante do que saber ler antes dos amigos é saber lidar com as emoções.


2. Promova a colaboração. A infância não é um paraíso. Os mais novos devem cumprir tarefas e sentir-se integrados no núcleo familiar.


3. Responsabilize-as. As crianças devem ser encorajadas a assumir as responsabilidades dos seus actos.


4. Assuma o seu papel. Quando a criança desatar aos berros, não grite também. Alguém tem que ser o adulto nesta relação.

5. Fale com elas, muito e desde bem cedo. Aproveite todos os bocadinhos.

6. Dê o exemplo. Tanto nos comportamentos, como na linguagem e nas regras.

7. Conte histórias. O momento do conto é a forma clássica e efectiva de treinar as emoções. Leia os livros antes de os ler aos seus filhos.


8. Cure a razão, não o sintoma. A indisciplina pode ser um sinal de que algo não está bem. Proibi-los de jogar PlayStation ou ver televisão durante uma semana pode não ajudar nada. Perceba a razão por trás do comportamento.


9. Não seja amiguinha/o. Todos queremos fazer os nossos filhos felizes, mas às vezes é preciso tomar decisões difíceis e impopulares.


10. Ouça, ouça e volte a ouvir. Seja bom ouvinte, arranje tempo para falar e sobretudo para ouvir. É uma boa forma de os compreender.


11. Ajude a lidar com a frustração. É importante ter rotinas e fazer entender que não pode ter tudo o que quer.


12. Faça uma pausa. Os ânimos estão exaltados. O mais sensato pode ser ... uma pausa. Conte até dez antes de também perder o controlo.


13. Cuidado com as expectativas. Não compare, nem exija dos seus filhos aquilo que eles não podem dar.


14. Se tem mais do que um filho arranje nem que seja 15 minutos por semana para estar com cada um a sós.


15. Ame-os muito. O amor nunca é demais.


Fonte: Expresso

sábado, 5 de dezembro de 2009

Ary dos Santos


RETRATO DE ALVES REDOL



Porém se por alguém não foi ninguém

cantou e disse flor canção amigo

a si o deve.A si e mais a quem

floriu cresceu cantou lutou consigo.


Homem que vive só não vive bem

morto que morre só é negativo

morrer é separar-se de ninguém

e contudo com todos ficar vivo.


Nado-vivo da morte. É isso. É isso.

Uma espécie de forno de bigorna

de corpo imorredoiro que transforma

em fusão o metal do compromisso:

Forjar o conteúdo pela forma:

marrar até morrer. E dar por isso.



POETA CASTRADO, NÃO!


Serei tudo o que disserem

por inveja ou negação:

cabeçudo dromedário

fogueira de exibição

teorema corolário

poema de mão em mão

lãzudo publicitário

malabarista cabrão.

Serei tudo o que disserem:

Poeta castrado não!


Os que entendem como eu

as linhas com que me escrevo

reconhecem o que é meu

em tudo quanto lhes devo:

ternura como já disse

sempre que faço um poema;

saudade que se partisse

me alagaria de pena;

e também uma alegria

uma coragem serena

em renegar a poesia

quando ela nos envenena.


Os que entendem como eu

a força que tem um verso

reconhecem o que é seu

quando lhes mostro o reverso:


Da fome já não se fala

– é tão vulgar que nos cansa

– mas que dizer de uma bala

num esqueleto de criança?


Do frio não reza a história

– a morte é branda e letal

–mas que dizer da memóriade

uma bomba de napalm?


E o resto que pode ser

o poema dia a dia?

– Um bisturi a crescer

nas coxas de uma judia;

um filho que vai nascer

parido por asfixia?!

– Ah não me venham dizer

que é fonética a poesia!


Serei tudo o que disserem

por temor ou negação:

Demagogo mau profeta

falso médico ladrão

prostituta proxeneta

espoleta televisão.

Serei tudo o que disserem:

Poeta castrado não

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Segundo caso Pontual

Desconhecidos furtaram esta madrugada do armazém da Worten e do hipermercado Modelo de Cantanhede bens e equipamentos avaliados em «vários milhares de euros», revelou fonte da GNR, citada pela Lusa.
Os indivíduos arrombaram uma parede metálica do armazém para se introduzirem no interior, adiantou a mesma fonte.
No armazém da Worten apropriaram-se de diversos computadores portáteis e telemóveis. No hipermercado Modelo foi detectado o furto de diversas «giletes» para corte de barba.
De uma loja existente no mesmo edifício levaram várias peças de roupa para criança.
Fonte da GNR adiantou que o alarme do edifício não foi accionado, mas as câmaras de vigilância aí existentes detectaram a presença de quatro indivíduos.
No espaço de meses já é segundo caso pontual.
Claro que para os partidos do sistema a criminalidade está controlada, já não enganam ninguém, mas enquanto lhes continuar a dar o voto não pode esperar nenhuma alteração, antes pelo contrário.
Esses “partidos do sistema" são os responsáveis pelo actual regime corrupto, burocrático e ineficaz, que despreza e (mal)trata os portugueses, encarando-os como meros consumidores ou instrumento de lucro.
A maioria dos portugueses, apesar de revoltada com a actual situação, limita-se a protestar em surdina e abstém-se de participar na vida política. Os resultados estão à vista: deixados à sorte por uma classe política corrupta e inepta, os portugueses vivem, há pelo menos 30 anos, em permanente e anunciada crise, que além de económica é também, ou sobretudo, de valores.
O modelo nacional de segurança pública abriu falência e já não responde eficazmente às ameaças modernas e crescentes do crime organizado, gangues violentos, ou até do terrorismo. É imperioso revalorizar a função da polícia, sem meios técnicos e humanos para fazer face ao crime crescente. Este regime é um paraíso para os criminosos e um verdadeiro inferno para os polícias e os portugueses indefesos. O sentimento geral é que os polícias são desapoiados e os criminosos protegidos. É necessário inverter esse paradigma e criar condições para que ninguém, em Portugal, tenha medo de circular em certas zonas do país.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

The Making of the 2010 Pirelli Calendar

Quando o lobo guarda as ovelhas


O PS vai viabilizar a constituição de uma comissão eventual para o combate à corrupção, ideia lançada por José Pacheco Pereira e depois proposta pelo grupo social-democrata.
Pura hipocrisia politica apoiada pelos dois partidos que mais têm visto os seus militantes ligados a casos de corrupção e secundada pelo resto dos parlamentares, mais ávidos em participar no festim que em combater a vergonha nacional que é a corrupção.
A sucata pariu mais um rato, a corrupção vai viajara de submarino, investigada aos domingos, liberalizada como o aborto ou o consumo de droga.
Já tínhamos os caos pontuais no que toca à criminalidade em geral, vamos ter os caos eventuais no que toca à corrupção.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

1º Dezembro - 1640 - Restauração da Independência de Portugal em relação a Espanha

A morte de D. Sebastião, em Alcácer Quibir, sem deixar descendência e outros motivos de natureza vária que não cabem neste pequeno resumo, concorreram para a perda da Independência de Portugal. Sem um sucessor directo, a coroa passou para Filipe II de Espanha. Este, aquando da tomada de posse, nas cortes de Leiria, em 1580, prometeu zelar pelos interesses do País, respeitando as leis, os usos e os costumes nacionais. Com o passar do tempo, essas promessas foram sendo desrespeitadas, os cidadãos nacionais foram perdendo privilégios e passaram a uma situação de subalternidade em relação a Espanha. Esta situação leva a que se organize um movimento conspirador para a recuperação da independência, onde estão presentes elementos do clero e da nobreza. A 1 de Dezembro de 1640, um grupo de 40 fidalgos introduz-se no Paço da Ribeira, onde reside a Duquesa de Mântua, representante da coroa espanhola, mata o seu secretário Miguel de Vasconcelos e vem à janela proclamar D. João, Duque de Bragança, rei de Portugal. Termina, assim, 60 anos de domínio espanhol sobre Portugal. A revolução de Lisboa foi recebida com júbilo em todo o País. Restava, agora, defender as fronteiras de Portugal de uma provável retaliação espanhola. Para o efeito, foram mandados alistar todos os homens dos 16 aos 60 anos e fundidas novas peças de artilharia.
Fonte: Leme




Dá-se o nome de Restauração ao regresso de Portugal à sua completa independência em relação a Castela em 1640, depois de sessenta anos de regime de monarquia dualista (1580-1640) em que as coroas dos dois países couberam ambas a Filipe II, Filipe III e Filipe IV de Castela. Nos anos imediatamente anteriores a 1640 começou a intensificar-se o descontentamento em relação ao regime dualista em parte dos membros da classe aristocrática, dos eclesiásticos (principalmente os jesuítas, que exploraram nesse sentido as crenças sebastianistas – e, em geral, «encobertistas») e acaso também entre os interessados no comércio com as províncias ultramarinas do Atlântico. (…) A má administração do governo espanhol constituía uma grande causa de insatisfação dos Portugueses em relação à união com Castela. Dessa má administração provinha o agravamento dos impostos. (…) A 6-VII-1628 era expedida a carta régia que, sem o voto das Cortes (por tradição, indispensável para que se criassem novos tributos), mandava levantar, por meio de empréstimo forçado, as quantias necessárias para a defesa, durante seis anos, de todos os lugares dos nossos domínios ameaçados pelos estrangeiros. A população mostrou logo a sua má vontade. (…) A tensão agravou-se quando o clero (cujos privilégios o isentavam de tais imposições) se viu também incluído na colecta geral. (…) Também no Ultramar surgiram protestos. (…) Em 1635 era estendido a todo o reino o imposto do «real de água», bem como o aumento do das sisas. Em 1634 confiava Olivares o governo de Portugal a uma prima co-irmã de Filipe IV, a princesa Margarida, viúva de Vicêncio Gonzaga, duque de Mântua. Ao mesmo tempo (fins de 1634) Miguel de Vasconcelos era transferido do seu posto de escrivão da Fazenda para as elevadíssimas funções de secretário de Estado, em Lisboa, junto da duquesa, cargo em que teve ensejo de desagradar muito aos Portugueses não partidários de Castela. (…) Num escrito editado em 1641, sob o título Relação de tudo o que se passou na felice aclamação, declara-se que D. António de Mascarenhas «fora a Évora a amoestar aos cabeças daquela parcialidade que não desistissem do começado e que, para que a empresa tivesse bom sucesso, pedissem amparo à Casa de Bragança». Era no duque, com efeito, que se pensava para chefe da insurreição e futuro monarca de Portugal independente; mas ele não achava oportuno o momento para tão grande aventura, e tratou de dar provas públicas de que reprovava a ideia. É de notar, todavia, que aos incitamentos internos se acrescentava um exterior, provindo da França, (…) então em luta com a Espanha, [que] se empenhava em impelir Portugal e a Catalunha contra o governo de Madrid. (…) Em 1638 tomou o conde-duque uma outra resolução que descontentou a nossa gente: a pretexto de os consultar sobre uma projectada reformada administração do nosso País, convocou a Madrid grande número de fidalgos, e ordenou levas de tropas para servir nas guerras que a monarquia espanhola sustentava, sangrando assim Portugal das suas maiores forças. (…) O que veio dar mais impulso à ideia da independência foram as novas exigências do conde-duque. Em Junho de 1640, com efeito, insurgia-se a Catalunha, e Olivares pensou em mandar portugueses a combater os catalães revoltados, ao mesmo tempo que se anunciavam novos impostos. (…) Aderiram à conjura o juiz do povo, os Vinte e Quatro dos mesteres e vários eclesiásticos, entre os quais o arcebispo de Lisboa, D. Rodrigo da Cunha. Deram também a sua colaboração o doutor Estêvão da Cunha, deputado do Santo Ofício, e D. António Telo. Em Outubro realizou-se uma reunião conspiratória no jardim do palácio de D. Antão de Almada, a S. Domingos, em Lisboa. Assistiram, além dele, D. Miguel de Almeida, Francisco de Melo, Jorge de Melo, Pêro de Mendonça e João Pinto Ribeiro. (…) Teve também influxo na resolução a mulher do futuro Monarca, D. Luísa de Gusmão. (…) Chegado a Lisboa a 21-XI-1640, João Pinto Ribeiro convocou os conspiradores para uma reunião num palácio que o duque tinha em Lisboa e onde ele, João Pinto, residia. Decidiu-se estudar em pormenor o plano do levantamento, amiudando-se as reuniões. Por fim, marcou-se o momento de sublevação: 9 horas da manhã de sábado, 1.º de Dezembro. Na noite de 28 para 29 surgiram complicações, por haver quem julgasse que eram poucos os conjurados; mas João Pinto Ribeiro, a quem quiseram encarregar de transmitir ao duque o intuito de se adiar, opôs-se tenazmente a tal ideia, numa discussão que se prolongou até as 3 horas da manhã. (…) O dia 1.º de Dezembro amanheceu de atmosfera clara e muito serena. Tinham-se os conjurados confessado e comungado, e alguns deles fizeram testamento. Antes das 9 horas foram convergindo para o Terreiro do Paço os fidalgos e os populares que o padre Nicolau da Maia aliciara. Soadas as nove horas, dirigiram-se os fidalgos para a escadaria e subiram por ela a toda a pressa. Um grupo especial, composto por Jorge de Melo, Estêvão da Cunha, António de Melo, padre Nicolau da Maia e alguns populares, tinha por objectivo assaltar o forte contíguo ao palácio e dominar a guarnição castelhana, apenas os que deveriam investir no paço iniciassem o seu ataque. Estes rapidamente venceram a resistência dos alabardeiros que acudiram ao perigo e D. Miguel de Almeida assomou a uma varanda de onde falou ao povo. Estava restaurada a independência…
Bibliografia: In Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Editorial Enciclopédia, Limitada, Vol. 25, Lisboa/Rio de Janeiro, 1978, pp. 317-319.
Fonte:HEMEROTECA DIGITAL

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

1874 - Nascimento de Sir Winston Churchill



A 30 de Novembro de 1874, nasce, em Woodstock, Oxfordshire, Sir Winston Churchill, estadista e historiador britânico. Por ocasião do 90º aniversário do seu nascimento, o Diário de Lisboa escreve: «O [seu ] nome tem significado universal e, em toda a parte, se invoca como um símbolo. Sem ele, seria diferente o destino dos povos». Fonte: O Leme

Primeiro ministro britânico, de 1940 a 1945 e de 1951 a 1955, foi quem dirigiu a Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial.
Nasceu no Palácio de Blenheim, em Woodstock, no Oxfordshire, em 30 de Novembro de 1874; morreu em Londres em 24 de Janeiro de 1965.

Era filho de Lord Randolph Churchill e da sua mulher americana Jennie Jerome. Após ter acabado o curso na Academia Militar de Sandhurst e ter servido como oficial subalterno, de 1895 a 1899, no regimento de Hussardos n.º 4, foi correspondente de guerra em Cuba, na Índia e na África do Sul. Durante a guerra dos Boers, de quem foi prisioneiro, protagonizou uma fuga que o tornou mundialmente conhecido, e de que relatou as peripécias no seu livro De Londres a Ladysmith. Churchill entrou para a política como Conservador, tendo sido eleito deputado em 1900, mas em 1904 rompeu com o Partido devido à política social dos Conservadores.
Aderiu ao Partido Liberal e em 1906, tendo sido eleito deputado, foi convidado para o Governo, ocupando primeiro o cargo de Sub-Secretário de Estado para as Colónias, mais tarde, em 1908, a pasta de Presidente da Junta de Comércio (Board of Trade).Após as eleições de 1910 foi transferido para o Ministério do Interior, e finalmente foi nomeado, em Outubro de 1911, Primeiro Lorde do Almirantado, onde impôs uma política de reforço e modernização da Marinha de Guerra britânica.
Pediu a demissão em plena Primeira Guerra Mundial, devido ao falhanço da expedição britânica aos Dardanelos, na Turquia, de que tinha sido o principal promotor. Alistou-se no exército, e comandou um batalhão do regimento «Royal Scots Fusiliers» na frente ocidental. Regressou ao Parlamento em 1916, regressando a funções governamentais no último ano de guerra, como ministro das munições.
Após o fim da Primeira Guerra Mundial, Churchill foi-se tornando cada vez mais conservador, continuando a participar activamente na política, como Ministro da Guerra (1919-1921) e Ministro das Colónias (1921-1922) em governos liberais. Em 1924 regressou ao Partido Conservador, sendo nomeado Ministro das Finanças (1924-1929) no governo conservador de Stanley Baldwin. Não participou em nenhum governo, de 1929 a 1939, mas continuou a ser eleito para o Parlamento, onde advertiu incessantemente do perigo que Hitler representava para a Paz.
Em 1939 foi nomeado novamente Primeiro Lorde do Almirantado, e em 1940, no dia em que a Alemanha começou a ofensiva a Ocidente, invadindo a Holanda, a Bélgica, o Luxemburgo e a França, foi nomeado Primeiro Ministro. Fez com que o seu país resistisse às derrotas dessa Primavera de 1940, e ao desaparecimento de todos os seus aliados ocidentais, da Noruega à França, e dirigiu-o durante a Batalha de Inglaterra. Finalmente, aliado à União Soviética, desde o primeiro momento da invasão alemã, em Junho de 1941, e com o apoio e depois a participação activa dos Estados Unidos na guerra, acabou por vencer Hitler.
Mesmo antes do fim da guerra, sofreu uma derrota espectacular nas eleições de 1945, sendo o seu governo substituído pelos trabalhistas de Atlee. Voltou ao poder em 1951, sendo primeiro-ministro até 1955, ano em que pediu a demissão, devido a problemas de saúde.
Foi nomeado Prémio Nobel da Literatura em 1953, pelas sua obra mas sobretudo devido aos 6 volumes da sua obra mais famosa: The Second World War.

Fonte: O Portal da História

sábado, 28 de novembro de 2009

Face Oculta - dura lex, salgadalhex


A lei não é dura, mas é confusa
Henrique Monteiro (www.expresso.pt)
8:00 Segunda-feira, 23 de Nov de 2009
Aprendemos todos a máxima latina dura lex, sed lex (a lei é dura, mas é a lei). Porém, em Portugal, a frase deveria ser reformulada. Porque a lei nem é dura para todos, nem clara, nem a maior parte das vezes lei.
A lei devia ser clara e compreensível para todos. Devia, mas não é. Em Portugal ninguém se entende e não sei se haverá país democrático onde o grau de incompreensão na Justiça vá tão longe como o nosso.
Juristas discutem se o presidente do Supremo tem ou não jurisdição para mandar destruir as escutas em que intervém o primeiro-ministro; peritos tentam, sem êxito, decifrar as enigmáticas palavras do PGR; gastam-se meninges para compreender o que cada interveniente quer dizer com frases indirectas que em nada se destinam ao esclarecimento de quem quer que seja. Os próprios crimes têm nomes estranhos como "atentado ao Estado de Direito", sendo que isto tanto pode ser matar o Presidente da República, como manipular um magistrado ou dar dinheiro a um amigo para comprar uma televisão, ou salvar um jornal falido. E as leis são tortuosas, parecem propositadamente feitas para que jamais se entendam sem a adequada gritaria, o chinfrim.
O primeiro-ministro indigna-se e recusa-se a responder a qualquer pergunta, dizendo que não interfere na Justiça. Mas, duas horas depois, uns ministros dizem que aquele assunto do âmbito da Justiça, do qual a política devia andar arredada é, afinal espionagem política, esperando que acreditemos que espionagem política se faz investigando um sucateiro (e agora me ocorre que, se calhar, o país ainda é pior do que eu supunha).
Os casos sucedem-se; apoiantes de Sócrates apresentam-no como um Cristo; Dias Loureiro é cristíssimo; Armando Vara é injustiçado; Oliveira Costa, um desgraçado. E, claro, todos são inocentes até prova em contrário; e até haver prova todos são vítimas. No fim, no meio da confusão instalada, todos acabam absolvidos. Portugal não tem, afinal, um corrupto que se veja!
No dia-a-dia o país encolhe os ombros e já não distingue honesto de vigarista, homem honrado de videirinho. Paga assim o justo pelo pecador, e safa-se o pecador por justo.
Só há um consenso alargado entre políticos e magistrados. Um consenso que abarca quem está envolvido em escândalos e quem não está: a culpa é da violação do segredo de Justiça.
De facto, sabemos que a Justiça não funciona e que a corrupção grassa porque nas redacções dos jornais se viola o segredo de Justiça! Se não se violasse, nada disto se saberia... Ora aí está uma evidência!
E digo mais: basta ler os dois comunicados de Sexa, o PGR, e de Sexa, o presidente do Supremo Tribunal, para ficar elucidado... de absolutamente nada.
Mas, também, que raio temos a ver com o que se passa no país?
Henrique Monteiro
Texto publicado na edição do Expresso de 21 de Novembro de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Fabulas Esopo

Check out this SlideShare Presentation:

O umbigo na ponta do nariz

Lembrei-me que podiamos reflectir um pouco sobre o nosso bom senso... e esta fábula pode-nos ajudar a começar!


“Numa cidade da Índia viviam sete sábios cegos. Como os seus conselhos eram sempre excelentes, todas as pessoas que tinham problemas recorriam à sua ajuda.Embora fossem amigos, havia uma certa rivalidade entre eles que, de vez em quando, discutiam sobre qual seria o mais sábio.Certa noite, depois de muito conversarem acerca da verdade da vida e não chegarem a um acordo, o sétimo sábio ficou tão aborrecido que resolveu ir morar sozinho numa caverna da montanha. Disse aos companheiros:- Somos cegos para que possamos ouvir e entender melhor que as outras pessoas a verdade da vida. E, em vez de aconselhar os necessitados, vocês ficam aí discutindo como se quisessem ganhar uma competição. Não aguento mais! Vou-me embora.No dia seguinte, chegou à cidade um comerciante montado num enorme elefante. Os cegos nunca tinham tocado nesse animal e correram para a rua ao encontro dele.O primeiro sábio apalpou a barriga do animal e declarou:- Trata-se de um ser gigantesco e muito forte! Posso tocar nos seus músculos e eles não se movem; parecem paredes…- Que palermice! – disse o segundo sábio, tocando nas presas do elefante. – Este animal é pontiagudo como uma lança, uma arma de guerra…- Ambos se enganam – retorquiu o terceiro sábio, que apertava a tromba do elefante. – Este animal é idêntico a uma serpente! Mas não morde, porque não tem dentes na boca. É uma cobra mansa e macia…- Vocês estão totalmente alucinados! – gritou o quinto sábio, que mexia nas orelhas do elefante. – Este animal não se parece com nenhum outro. Os seus movimentos são bamboleantes, como se o seu corpo fosse uma enorme cortina ambulante…- Vejam só! – Todos vocês, mas todos mesmos, estão completamente errados! – irritou-se o sexto sábio, tocando a pequena cauda do elefante. – Este animal é como uma rocha com uma corda presa no corpo. Posso até pendurar-me nele.E assim ficaram horas debatendo, aos gritos, os seis sábios. Até que o sétimo sábio cego, o que agora habitava a montanha, apareceu conduzido por uma criança.Ouvindo a discussão, pediu ao menino que desenhasse no chão a figura do elefante. Quando tacteou os contornos do desenho, percebeu que todos os sábios estavam certos e enganados ao mesmo tempo. Agradeceu ao menino e afirmou:- É assim que os homens se comportam perante a verdade. Pegam apenas numa parte, pensam que é o todo, e continuam tolos!”

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Cogumelos - Cuidado


Fonte: Agricultura Biológica em Coimbra
Os cogumelos já entraram há muito na gastronomia tradicional portuguesa, seja como acompanhamento, petisco ou mesmo sopa. Contudo, poucos reconhecem as suas vantagens nutricionais. Para além disso são um alimento funcional e de óptimo sabor. Por eemplo comer cogumelos é uma forma saborosa e diferente de tornar o organismo mais resistentes às infecções.
Elevado valor Nutritivo e pode fazer duas ou mais refeições substituindo a carne e o peixe.
Contrariamente aos vegetais, os cogumelos são bons fornecedores de proteínas de elevado valor biológico. Por exemplo, 100g de cogumelos comestíveis frescos corresponde a 5,2g de proteínas e alguns deles com todos os aminoácidos essências. E, se está a pensar em mudar de regime alimentar para manter a linha, então é bom tê-los por perto poucas calorias (28Kcal em média para cada 100g) e quase nenhuma gordura. Em compensação, têm uma elevada concentração de fibras, que potenciam o controlo de peso, a prevenção das doenças cardiovasculares e o funcionamento do intestino.
Ricos em potássio, ácidos nucleicos
Outro benefício nutricional está na elevada concentração de potássio, um aliado importante para os hipertensos, já que ajuda a estabilizar os níveis da tensão arterial. Há mesmo quem fale nos cogumelos enquanto “elixir da vida”, graças ao elevado teor de ácido nucleico, substância que favorece a síntese das proteínas e a reconstrução celular. Esta propriedade ajuda também a perceber por que motivo cogumelos são utilizados para fins medicinais. Mas cada tipo tem a sua funcionalidade.
Cogumelos todos os dias na mesa porque são anti-cancerígenso (Shii-take, Maitake)
Apresentados sobre diferentes formas – secos, enlatados, congelados ou frescos – os cogumelos comestíveis, para além da variedade de sabor, são ricos em fitonutrientes (ex: beta d Glucano), alguns com capacidade para fortalecer o sistema imunitário, podendo contribuir para a recuperação e a protecção anti-cancro.
Cozinhe saudavelmente
Importa relembrar que, para tirar partido destes benefícios, este alimento deve ser consumido de uma forma saudável, seja através das sopas, a acompanhar um arroz ou massa ou enquanto petisco, cozinhado com boas gorduras (azeite ou cremes vegetais para cozinhar).
Eu costumo saltea-los em azeite ou com outras gorduras saudáveis com cebola, alho e um bocadinho de sal marinho e pimenta, por vezes, depois de salteados, misturo-os no arroz ou massa, e é delicioso.
Outras vantagens dos cogumelos
A ingestão de cogumelos está também indicada no controle do colesterol e dos níveis de glicose no sangue. Estão também provadas as suas propriedades anti-inflamatórias. Estes pequenos alimentos são ainda ricos em minerais (selénio, cálcio, iodo e fósforo, zinco, cobre, mangnésio), vitaminas A, do complexo B, e vitamina C e antioxidantes.
O Quental Biológico fornece-lhe uma extensa gama de cogumelos cultivados, biológicos com certificado e tradicional.
Tem para si uma grande variedade de cogumelos cultivados por Agricultura Biológica (os cogumelos sendo fundos convêm ser neste modo de agricultura porque são naturalmente absorventes de tudo aquilo que há de melhor mas também do pior.
Alguns deles têm que ser reservados até Sábado e pode vir recolhe-los na nossa loja às segundas e terças feiras. Temos sempre na loja Shii-take, Portobello, Pleurotus Cinzento, Marron e Champignon de Paris- pelo menos até quarta-feira. Precisa de reservar (Pleurotus amarello, Pleurotus cor-de-rosa, Nameko, Pioppino, Pleurotus eryngii, Pompom Blanc, Enoki, Maitake, Shimeiji e Pé Azul)- todos frescos, a granel, de agricultura biológica e certificados.
É uma nova experiência saborosa e saudável!

Ministério propõe carreira única mas com vagas para a progressão

O Ministério da Educação aceita por fim à divisão da carreira dos professores em duas categorias, mas não quer abdicar de manter limites à progressão.
A proposta foi comunicada hoje de manhã à federação nacional dos sindicatos da educação ( FNE) de acordo com o secretário geral da FNE trata-se de um documento "aberto", mas que apresenta dois aspectos "profundamente negativos".
Em causa está a manutenção de uma prova para o ingresso na carreira e o facto de a passagem para os 3º, 5º e 7º escalões estar dependente da abertura de vagas. As reuniões prosseguem ao longo do dia de hoje com os restantes sindicatos do sector.
Fonte:Expresso
Os médicos tratam a população para conservar a saúde... Ou deviam-no fazer! Isto é, a sua função é conservar saudável o estado de coisas! Os professores preparam os homens e mulheres de amanhã, aquelas pessoas que vão ou não tratar-nos da saúde e daquela conservação, e da sociedade em geral... Aos médicos (licenciados), que já auferem salários bem melhores que os professores (licenciados) o Estado (nós) vai pagar mais 750.00 euros mensais, para não ficarem apenas nas reduzidas capitais de destrito principais, aos professores o Estado tenta reduzir a sua carreira (na verdade devia haver três carreiras: (1)educadores de infância; (2) professores do Básico; (3) professores do Secundário), para lhes pagar o mínimo possível... E o mais engraçado é ler os comentários à questão dos professores!!!
Opinião de Vasil

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

II Curso de KarateDo Shotokan Cidade de Cantanhede


Local: Cantanhede

Instrutor: Sensei Dirk Heene

Horários: Sábado dia 19 de Dezembro
Manhã - Das 09.30 às 11.00 Para todas as graduações
Das 11.00 às 13.00 Para cintos castanhos e pretos

Tarde – Das 16.30 às 18.00 Para todas as graduações
Das 18.00 às 20.00 Para cintos castanhos e pretos

Domingo dia 20 de Dezembro
Das 09.00 às 10.30 Para cintos castanhos e pretos
Das 10.30 às 12.00 Para todas as graduações

Informações:
E-mail vitorramalho1@gmail.com
Telemóvel 961488375

domingo, 22 de novembro de 2009

Um orçamento mentiroso

Já muito se escreveu sobre o valor das palavras como instrumentos de dominação política. Seja em Wells, Huxley ou Orwell, o padrão é sempre igual: mentir!
O Governo anunciou que vai pedir uma autorização legislativa para um Orçamento "redistributivo".
O Governo tem poderes para chamar ao Orçamento o que quiser: redistributivo, ambicioso, fautor de felicidade, amigável. Mas o Executivo sabe que as palavras são importantes e que se lhe chamasse rectificativo, como toda a gente percebe que ele é, estaria a assumir que falhou nas previsões. Assim, chamando-lhe redistributivo, está a dar ideia de que redistribui alguma coisa. Espanta, até, que não lhe chame Orçamento benemérito, para dar a ideia de que iria beneficiar alguém, mas talvez fique para o ano...
A proposta que está no Parlamento, a pouco mais de um mês do fim do ano, já toda a gente sabia que ia ser necessária. Em Julho já era óbvio que as receitas não chegavam. Mas o Executivo não quis dar o braço a torcer e aguentou enquanto pôde. Agora, inventou um nome.
Há 15 dias, Nicolau Santos titulou assim a sua coluna de opinião neste jornal: 'O que aí vem é dantesco'. Já se vê que se fosse o Governo a fazer o texto usaria outro escritor para ilustrar o futuro. O que aí vem seria, para o Governo, digamos camoniano, por exemplo.
A verdade é que o que aí vem, vem mesmo. E podem chamar-lhe os nomes que quiserem, mas é mau. Pode ser que com palavras bonitas nos anestesiem uns tempos, mas, como disse Abraham Lincoln, se é possível enganar todos por algum tempo, se é possível enganar alguns todo o tempo, não se pode enganar todos durante todo o tempo.
Fonte: Expresso

Estatuto da Carreira Docente

O projecto de resolução do PSD sobre avaliação de professores e estatuto da carreira docente foi hoje viabilizado no Parlamento, com votos favoráveis da bancada social-democrata e abstenção do PS , enquanto os restantes diplomas da oposição foram chumbados.
O diploma do PSD, aprovado com abstenção de todas as outras bancadas, recomenda ao Governo o fim da divisão da carreira em duas categorias e a criação de um novo modelo de avaliação no prazo de 30 dias, além de defender que no primeiro ciclo avaliativo, que está a terminar, não haja professores penalizados em termos de progressão da carreira devido a diferentes interpretações da lei.
Foram chumbados os sete projectos da restante oposição para suspender o actual modelo de avaliação e acabar com a divisão da carreira dos professores, com o voto contra do PS e a abstenção do PSD.
Todos os diplomas da oposição tiveram a mesma votação - votos favoráveis do CDS-PP, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes, abstenção do PSD e votos contra do PS -, à excepção do projecto de resolução do CDS-PP sobre alteração do estatuto da carreira dos educadores de infância e dos professores dos ensinos básico e secundário.
Este diploma teve apenas o apoio das bancadas democrata-cristã e do Bloco de Esquerda, enquanto PCP e Verdes se juntaram ao PSD na abstenção, enquanto o PS manteve o voto contra.
Fonte: Expresso

Cirurgia vaginal é a nova moda

Depois dos implantes mamários, do colagénio nos lábios e da lipoaspiração, eis a... labioplastia. A redução cirúrgica dos lábios vaginais está a tornar-se frequente em Inglaterra, de acordo com dados publicados no British Journal of Obstetrics and Gynaecology, que revelam um aumento de 70% neste tipo de cirurgias, e apenas o sistema de saúde público.
As mulheres com lábios vaginais grandes queixam-se de algum desconforto ao utilizar roupa justa ou ao ter relações sexuais, por exemplo, mas são raros os casos que obriguem a labioplastias por motivos estritamente médicos. De facto, a estética é a principal impulsionadora destas cirurgias íntimas, de acordo com os dados ingleses. As mulheres querem ter a área genital mais bonita, estando dispostas a pagar cerca de 3 mil euros para o conseguirem.
No entanto, como em qualquer cirurgia, há vários riscos a considerar. Apesar de já terem cerca de 30 anos de existência, há pouca informação sobre os efeitos a longo prazo das labioplastias. A perda de sensibilidade nos genitais e a necessidade de recorrer a uma cesariana no caso de gravidez são alguns dos contras a considerar, informam os ingleses.
Em Portugal, a técnica também é utilizada e também tem vindo a crescer, dizem os cirurgiões plásticos, apesar de não existirem dados oficiais na Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética.
É caso para perguntar: tudo vale a pena pela beleza?
Fonte: Expresso

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

CONCURSO TÔMBOLA DE NATAL 2009


A AEC – Associação Empresarial de Cantanhede, com o intuito de dinamizar o Comércio Tradicional do concelho de Cantanhede está a prepara mais uma edição do CONCURSO TOMBOLA DE NATAL 2009.

O Concurso realizar-se-á de 15 de Novembro 2009 a 6 de Janeiro de 2010 , com 12 Óptimos Prémios!

Os estabelecimentos que pretendam aderir a esta acção poderão fazer a qualquer momento contactando a AEC (231429185), adquirindo senhas para o concurso, com direito a brindes para distribuir pelos seus clientes (lápis natal, sacos compras, blocos colorir, balões)

Informamos ainda que no período de 2 de Dezembro 2009 a 6 de Janeiro de 2010 se encontrará o Carrossel Infantil na Praça Marquês de Marialva

CANTANHEDE GNR apreende toneladas de ferro e cobre em acampamento cigano

Elementos do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do destacamento de Cantanhede da GNR, apoiados por militares do Pelotão de Intervenção Rápida (PIR) do Comando Territorial de Coimbra e de outros destacamentos, num total de cerca de 70 homens, cercaram ontem, manhã cedo, um acampamento de etnia cigana na zona de Albergaria-a-Velha. Acampamento que esta força policial suspeitava ser “o armazém” de material furtado na região de Cantanhede.
Não haverá por ai uma dessas instituições de solidariedade, dessas que dizem defender as minorias, que faça uma manifestação contra a GNR? Contra mais um encerramento de uma empresa familiar e que ao mesmo tempo angarie fundos que permitam construir armazéns onde estas famílias possam guardar a mercadoria?
Não acham que já basta de hipocrisia? Não acham que já é tempo da mão pesada da lei cair sobre esta gente que age com completa impunidade?
As vitimas é que são minorias a defender e não quem ruma ao nosso país com o único intuito de se dedicar à criminalidade.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Petição Referendo: Casamento entre pessoas do mesmo sexo

Petição Referendo: Casamento entre pessoas do mesmo sexo

Estatuto da Carreira Docente

Lisboa, 18 Nov (Lusa) - O Governo apresenta hoje aos sindicatos a proposta de calendário negocial para a revisão do estatuto da carreira e da avaliação de desempenho docentes, na véspera da discussão no Parlamento dos diplomas da oposição sobre estas matérias.
A ministra da Educação, Isabel Alçada, retomou terça-feira da semana passada o diálogo com as estruturas sindicais, reiterando a disponibilidade do Governo para rever o Estatuto da Carreira Docente e para encontrar um "novo" modelo de avaliação de desempenho, onde todos os pontos "estão em aberto".
No mesmo dia, a tutela anunciou aos sindicatos que entregaria durante esta semana uma proposta de calendário negocial, garantindo que o primeiro ciclo de avaliação, que termina em Dezembro, será cumprido dentro do quadro legal em vigor e que as classificações a atribuir terão efeitos na progressão na carreira, como está previsto.
Fonte: Expresso
Tivemos todos que passar por isto , porquê? Tivemos uma guerra com a anterior ministra, com o governo de socrates, porquê? Esta disponibilidade de repensar a avaliação e a disponibilidade para o diálogo, não existiu porquê? O que é que mudou? Estas e outras perguntas devem fazer-se, pois e educação não pode continuar a ser tratada da maneira que tem sido tratada. Este é um daqueles temas (muito sério) onde deverá existir um pacto de regime sério, que tenha em vista o sucesso do País e não a poupança de dinheiros que só se traduz numa hipoteca do desenvolvimento de Portugal. E esses que eram tão defensores daquela avaliação de professores, mas não só, deste modelo de escola, que têm a dizer agora? Expliquem agora em que modelos teóricos, científicos se basearam para maldizerem tanto a luta dos professores? Agora que o governo percebeu o erro que cometeu?
Afinal não havia convicção nenhuma, nem modelo teórico subjacente à politica do governo para a educação, as motivações eram outras (e isso devia ser explicado ao povo). Agora o governo apenas apanha o barco e tenta sair de cara lavada, (porque não tem a maioria). Mas ficará sempre a ideia que, se fosse mesmo uma convicção e não outra coisa, socrates deveria em coerência manter o seu modelo.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

GUERRA JUNQUEIRO

Foi escrito em 1896… mas é de uma actualidade…

Texto de Guerra Junqueiro – Pátria – 1896

“Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta. [.]
Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provem que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro. Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.
A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.
Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar.”
Guerra Junqueiro, “Pátria”, 1896.

VIAGEM À RODA DA PARVÓNIA - Guerra Junqueiro e Guilherme de Azevedo

ACTO I

QUADRO I


A cena representa uma arcada do Terreiro do Paço. – Vários grupos conversam. – De quando em quando rapazes atravessam apregoando cautelas. – Vendilhões de água fresca gabam a excelência do líquido.

CENA I

UM SUJEITO

(Declamando a passear, olhando para a porta da Secretaria da Marinha.)

Oh, noites de Lisboa, oh, noites de poesia!

Auras cheias de som, noites cheias d'aromas!

GAROTO

(Passando a correr.) Amanhã anda a roda, quem quer a taluda! é do Fonseca!...

(Dois sujeitos conversando.)

1º SUJEITO

Homem, então aqui os ministérios já caem por causa dum dente?

2º SUJEITO

Se lhe parece! Na política todos os dentes são necessários menos o do siso. Os caninos, esses então são indispensáveis. Olhe, daqui a pouco os lugares de ministros hão-de ser postos a concurso, dando-se a resolver os seguintes problemas, pouco mais ou menos: 1º Levantar com os dentes, à altura de quatro palmos, a burra do tesouro...

1º SUJEITO

(Interrompendo.) Agora não havia de custar muito a levantar.

2º SUJEITO

(Continuando,) Roer cm sete anos, 70 000 contos de réis. incluindo o caroço...

1º SUJEITO

Bem sei, o caroço é a penitenciária.

2º SUJEITO

Suspender o registo civil em cima dum trapézio.

1º SUJEITO

A Leona Daré fazia isso nos Recreios, mas não era com o registo civil; era com um palhaço quase tão estropiado como ele.

2º SUJEITO

Tem razão. No fim de contas não há prova possível para a dentadura humana. Tanto pode mastigar um orçamento como uma pedreira. (Retiram-se.)

(Dois banqueiros conversando.)

1º BANQUEIRO

Então as inscrições sobem ou descem?

2º BANQUEIRO

Vão subindo à proporção que a moralidade vai descendo. (1) (Dirigem-se para o fundo.)

(Dois jornalistas em fraternal colóquio, furando a parede das secretárias com as respectivas bengalas.)

1º JORNALISTA

Leste o belo artigo do Tibúrcio atacando a nomeação dos cónegos?

2º JORNALISTA

Li.

1º JORNALISTA

E o que te parece?

2º JORNALISTA

Parece-me que o Tibúrcio pretende uma conezia no Tribunal de Contas.

(Dois bacharéis dândis, ambiciosos de conservatórias e delegacias.)

1º BACHAREL

Olé! então pela capital? O que é feito dessa bizarria? há séculos que te não vejo! Venha de lá esse abraço! Então também vens aos concursos?

2º BACHAREL

Que remédio! É preciso agenciar a vida.

1º BACHAREL

E tens bons empenhos, hem? (2º Bacharel diz-lhe ao ouvido um segredo.) Seu maganão! sim senhor! deu-lhe no vinte. Podes ter a certeza que és despachado. (2)

2º BACHAREL

(Intencionalmente com o dedo indicador.) Pai Paulino tem olho. (Separam-se tossindo.)

(Dois gatunos.)

1º GATUNO

Então já tomaste medida à fechadura?

2º GATUNO

Não foi preciso: a polícia deu-me a chave. (Fogem olhando para todos os lados.)

1º JORNALISTA

Olé! quem será aquele que chega?

2º JORNALISTA

Eu já vi aquela cara não sei aonde. (Olham todos para o lado de onde deve vir o personagem, fazendo comentários.)

CENA II

OS MESMOS, JUDEU ERRANTE, depois o CICERONE.

JUDEU

(Aparece montado num burro, traja varino grosseiro, galochas de borracha, na cabeça um carapuço de lã. com borla; vem coberto de pó dos séculos – ou, não podendo ser de pó dos séculos, de qualquer outro. A tiracolo um frasco de genebra e um binóculo. Apeia-se ficando com o burro preso pela rédea.) Tenho corrido Seca e Meca, faltava-me correr os Olivais de Santarém! Condenado pelo destino a caminhar constantemente, andarilho eterno, um verdadeiro almocreve dos tempos, depois de ter visto as pirâmides do Egipto, o Pólo Norte, Roma, Cartago, Babilónia; depois de ter assistido à queda dos impérios, ao dilúvio, à revolução de 1820, (suspende-se) perdão! (Olhando para a plateia.) Aquele senhor de óculos azuis que ali está no fundo da plateia, muito espantado a olhar para mim, quer talvez saber quem eu sou, de onde venho e para onde vou? Eu lhe digo. Quem sou? Sou o Judeu Errante Júnior. Tenho de idade 7 000 anos e três dias, (mostra um papel) aqui está a certidão. – Nascido na freguesia do Éden, filho do Judeu Errante Sénior, solteiro, isento do recrutamento, bacharel em quatro faculdades e vacinado. – Ando há sete mil anos à busca da Parvónia e só hoje a pude encontrar. Tenho-me farto de perguntar a toda a gente aonde fica este país, e diz-me um: olhe, é ali abaixo, à direita, com um ramo de louro à porta; – caminho, caminho, caminho e vou dar à ilha de Chipre! Torno a perguntar, e respondem-me: olhe, vá o senhor andando por aí abaixo, e em sentindo no nariz um cheiro pouco parlamentar, (3) pode ter a certeza de que nesse instante pousou a planta fatigada na cidade de Ulisses, outrora Ulissipo e em nossos dias Parvónia. Finalmente, cheguei, não há dúvida. (Levando o lenço ao nariz.) Fique entretanto entendido, ó Lusos, que se cheguei devo-o unicamente a este raro quadrúpede originário de Sintra, que um príncipe excêntrico daqui levou há dois anos, e que há poucos dias mandou vender em leilão. (4) Foi ele que, movido pela nostalgia da pátria, me conduziu à terra que lhe foi berço e aonde recebeu a sua primeira educação. (Prende o burro.) Descansa, dedicado companheiro, descansa que bem o precisas!

1º SUJEITO

(Perguntando ao outro.) Quem será este sujeito, quem será?

2º SUJEITO

Espera, vamos ver; o Diário de Notícias há-de dizer alguma coisa. (Puxa dum órgão da opinião, que traz muito bem dobrado na algibeira furtada, e lê:) «Espera-se hoje nesta cidade, depois duma digressão pela Europa, o Judeu Errante Júnior, cavalheiro de estimáveis qualidades, muito conhecido dos nossos leitores, abastado proprietário e capitalista, condecorado com várias ordens nacionais e estrangeiras, entre as quais a do camelo branco de Portugal e a de S. Tiago da Arábia. S. Sª viaja incógnito e tenciona demorar-se pouco tempo entre nós. Fazemos votos para que o ínclito viajor encontre no país do canoro épico Luís de Camões toda a acolhida lisonjeira a que tem jus.» (5)

1º SUJEITO

Cá está o homem que me convém. (Aproxima-se.) Meu caro senhor. (Curva-se numa profunda vénia.) Tenho a honra de o cumprimentar. Há muito tempo que o conhecia de nome.

JUDEU

Oh! meu caro amigo, penhora-me.

1º SUJEITO

Por enquanto não, sossegue. Eu quando tenho notícia da chegada dum forasteiro ilustre, acudo sempre a prestar-lhe a minha homenagem e a proporcionar-lhe ensejo de mais uma vez patentear o seu coração filantrópico em prol duma instituição de beneficência, que é a primeira de entre todas as que florescem no sagrado rochedo das pátrias liberdades, de onde há 44 anos vieram os 7 500, que, depois de tantas batalhas e de tantas privações, estão hoje reduzidos a pouco mais de 15 000!

IUDEU

Bem sei de que me falais. Falais-me dessa instituição simpática cognominada modernamente o albergue da Ilha das Galinhas?

1º SUJEITO

Acertaste, viajeiro.

JUDEU

(Descalçando as galochas de borracha c entregando-lhas.) Aqui tendes as galochas de Aasvero: galochas ilustres que deram a volta ao globo, e que tu, ó benfeitor da humanidade, poderás vender ao governo para o museu do Carmo, colocando nessas palhetas legendárias a seguinte inscrição:

Pisaram do Sinai as sarças inflamadas,
Calcaram do deserto o areal imenso,
Com umas solas só, galochas tão danadas
Quem as pode fazer? Deus ou o Manuel Lourenço.


(Assinado) Possidónio.

1º SUJEITO

(Calçando as galochas.) Graças, viajor, cá vão para o museu. (Retira-se humildemente.)

UM POETA

(Saindo apressado do portão duma secretaria.) Li o seu nome nos jornais e creio que o meu não lhe será também desconhecido. Chamo-me Artur. Sou um poeta célebre, sócio da sociedade filarmónica Os Sobrinhos de Minerva e preparo-me para fazer o meu exame de instrução primária. (Tira um rolo de papel do bolso.) É um volume de versos. Passei metade da minha vida a escrevê-lo e outra metade a procurar um editor.

JUDEU

Infeliz! (Tira dinheiro do bolso, recebendo o manuscrito.) Não tenho mais trocado, queira desculpar dar-lhe só um pataco.

POETA

(Recebendo.) Obrigado! Já vejo que sabeis dar protecção ao génio. (Aparte.) Vamos beber um copinho de Holanda.

JUDEU

Já sei que neste país o costume mais arreigado é o de pedir. O que vale é que se contentam com pouco.

POLÍTICO

(Aproximando-se.) A folha deu-me conta da sua chegada. Permita-me que o venha felicitar em nome do grupo político de que faço parte.

JUDEU

Oh! meu caro, penhora-me imenso, e visto ser penhorado todo o que vem a este país, pedia-lhe o extremo obséquio de dizer o que pretende de mim.

1º POLÍTICO

Tomo a liberdade de lhe pedir o seu voto.

JUDEU

Mas, não estou aqui recenseado!

1º POLITICO

Não tem dúvida: vota em Belém.

JUDEU

Mas sou um estrangeiro...

1º POLÍTICO

Que tem isso? Vota como morto.

JUDEU

Mas o meu voto nestas condições o que pode valer?

1º POLÍTICO

(Ao ouvido.) Vale uma libra. (Dá-1he uma libra e retira-se.)

JUDEU

(Guardando o dinheiro, cheio de nobre isenção eleitoral.) Extraordinário país! Cheguei há meia hora e eis-me já sem consciência e sem galochas! Palavra de honra! do que tenho mais pena é das galochas!

ACCIONISTA DUMA COMPANHIA

(Aproximando-se do Judeu.) Felicito-me com o meu país pela chegada dum cavalheiro de tantos créditos. Ora aqui está quem me vai ficar com estas cinquenta acções da companhia do gás.

JUDEU

Pois não, meu caro senhor. Com todo o gosto. Quanto quer?

ACCIONISTA

Bem sabe que com a vinda das noites grandes as acções tornaram a subir imenso.

JUDEU

Bem sei. Olhe, para evitar questões tome lá por elas esta caixa de fósforos, mas mande-me pôr em casa o gasómetro; desta maneira ficamos ambos habilitados, o amigo para acender um charuto, eu para o apagar.

ACCIONISTA

Contrato feito. Vou ajustar dois galegos e pode contar que ainda hoje lhe fica colocado na cozinha. (Sai apressadamente.)

2º POLITICO

Eu não tenho o gosto de o conhecer, mas é o mesmo. Não o incomodarei muito. O gabinete está em crise, as inscrições descem: o país, desde Maçãs de D. Maria até Cabeceiras de Basto, levanta-se como um só homem e batendo um murro patriótico no altar da pátria exclama: salta Messias para um! Há três meses que pomos este anúncio no Diário de Notícias: (lê) «Precisa-se de um Marquês de Pombal por um semestre. – Dá-se fiador e paga-se aos meses. Exigem-se as seguintes habilitações: Bigode e pêra. A pêra pelo menos é indispensável. Calva a que for possível: antes de mais que de menos. Peso, as arrobas necessárias para um conselheiro, desde 12 a 24, não incluindo a cabeça. Estômago de avestruz; dentadura em bom estado; ler, escrever, contar, as quatro operações, principalmente a subtracção; estado qualquer, incluindo o de demência. Idade certa, moralidade incerta; profissão vadio. Sabendo recitar ao piano prefere-se. (6) Carta à Rua dos Vinagres, nº 69, sobreloja.» (Declamando.) Ora como ainda não apareceu concorrente que satisfaça, lembrei-me de o consultar a tal respeito, visto ser um cavalheiro de tal guisa e de tamanho estofo.

JUDEU

Peço desculpa, mas declaro-me incompetente. Neste país estão tantas pessoas à mesa do orçamento, que acho muito melhor ir para os Irmãos Unidos,

POLÍTICO

Então queira perdoar. (Retirando-se.) Para a outra vez será.

JUDEU

Não tem de quê, meu caro senhor, não tem de quê.

1º BANQUE1RO

Ora aqui está o cavalheiro que eu procuro há tanto tempo. Meu caro senhor: sou um dos primeiros banqueiros da Parvónia. Não tenho nada de meu e devo quatrocentos contos de réis: é o que se chama entre nós uma fortuna sólida.

JUDEU

Quantas vezes quebrou?

1º BANQUEIRO

Apenas quatro! É muito pouco, bem sei, mas dêmos tempo ao tempo. A minha questão é esta: pretendo fundar um banco que se deve intitular: – Sociedade de Agricultura do Pinhal da Azambuja, – destinado a fomentar a pobreza do país, a ruína dos accionistas e a prosperidade dos directores. O nosso programa é simples: levantar o mais que puder e pagar o menos que for possível: ao cabo de ano e meio fugimos e os accionistas são metidos na cadeia.

JUDEU

(Com entusiasmo.) Com mil demónios! Você é um homem de génio. Dou-lhe um abraço, e sabe a razão por que não aceito o seu convite? É porque ainda não tive tempo de comprar um apito.

1º BANQUEIRO

Então muito obrigado. Virei noutro dia em que tenha fundos disponíveis. (Retira-se e assalta outro sujeito que passa, agarrando-o pelo botão do casaco.)

JUDEU

(Reparando num indivíduo que se dirige a ele com ar sinistro.) Outro! o que quererá este? Deus do Céu, é um país único esta Parvónia!

GEÓGRAFO

(Solene.) Preclaro viajante. Sabemos que a sua excursão tem sido das mais aventurosas e das mais profícuas para a ciência. Sabemos que V. Ex  descobriu as nascentes do Alviela; que fez a viagem à roda do Terreiro do Paço em três anos – e de gatas; que subiu intrepidamente a Calçada da Estrela numa corrida à hora, e a pé; sabemos que, se não descobriu o Brasil, foi porque já estava descoberto; sabemos que está isento do recrutamento; sabemos que é maior; sabemos que é vacinado e portanto, quer queira quer não, está nomeado sócio emérito das mil c duas sociedades de geografia que existem na Parvónia, com a condição. expressa de fazer uma prelecção em que demonstre: 1º, que o Alviela é um rio; 2º, que o Tejo é de cristal; 3º, que os caminhos-de-ferro portugueses, antes de explorarem os accionistas, já tinham sido explorados pelo governo.

JUDEU

Oh, meu caro senhor. Na verdade sou inábil para tão grande cometimento! No meu testamento tenho determinado que se me grave na campa fria o seguinte epitáfio: – Foi bom pai, bom esposo, bom irmão, bom amigo; e, não obstante, parece impossível! não foi sócio da Sociedade de Geografia. – Já vê que me é impossível aceitar.

GEÓGRAFO

Paciência: não fiquemos mal por isso; até outro dia.

VIÚVA

Meu caro benfeitor: uma esmolinha pelo amor de Deus; sou uma pobre viúva com 37 anos e 44 filhos todos tísicos: um deles é corcunda e tem quatro braços. Tenho um cirro no estômago e deito sangue pelo nariz; demais a mais ardeu-me ontem a casa!!... (Chora.)

JUDEU

Infeliz! só lhe falta ter caído de um andaime! Tome lá um pataco para mandar levantar a casa e a espinhela dos seus meninos. (Dá-lhe dinheiro: a viúva sai agradecendo.)

CICERONE

(Chegando apressado: grande toilette de belfurinheiro em exercício.) Ora onde eu o venho encontrar! Maganão, há tanto tempo que o não via!

JUDEU

(Absorto.) Nem eu, meu caro senhor. Nunca o vi mais gordo! O que deseja?...

CICERONE

(Falando apressadamente, e tirando vários objectos das algibeiras e da mala que traz a tiracolo.) Então a amigo já tem hospedaria? Precisa escovas para o cabelo? Quer a pasta da Justiça? Quer que lhe leve as malas ou quer a carta do Conselho? Olhe, ali na Rua do Arsenal há cigarrilhas espanholas magníficas, mas se quer ó hábito de S. Tiago também se lhe arranja: isto aqui é pedir por boca. Não tem senão escolher: ou vai para a Rua dos Vinagres ou então, se lhe faz mais arranjo, pode meter-se no Tribunal de Contas. No Conselho de Estado não há agora vaga. Prefere ser guarda-nocturno? visconde não é mau, mas guarda a cavalo é melhor. Escolha; deseja empenhar a consciência, deseja empenhar o relógio? Pretende ser deputado? Pelo governo custa-lhe 300 libras, pela oposição 200. Quer casar, quer ser da irmandade dos Terceiros? quer elogios nos jornais? Ou antes pelo contrário não quer nada disto e deseja apenas ser um brasileiro rico e bem conceituado na sua freguesia? Porque não me fica com este décimo da lotaria de Espanha e com esta comenda de Isabel a Católica? São ambas do Fonseca! Vamos, decida-se: o senhor precisa por força de alguma coisa. Aqui tem uma pomada para fazer cair o cabelo e os ministérios; aqui tem cartas de conselho, tftu1ºs de dívida infundada, baralhos de cartas, fluidos transmutativos, microscópios para ver pulgas e grandes homens; títulos para deitar nódoas e sabonetes para as tirar; enfim, aqui tem nesta drogaria diabólica tudo quanto é preciso para levar um homem desde a imortalidade até à polícia correccional!

JUDEU

(Entusiasmado.) Heureca! achei o meu homem! O Cicerone que eu procurava há tanto tempo! (Dando-lhe o braço.) Vamos dar um passeio pela Parvónia.

CICERONE

A primeira coisa que há a fazer, para obter tudo o que quiser, eu lha digo já, – entretanto será sempre bom disfarçar o nome e a cara. Agora, para abrir caminho e conseguir tudo, absolutamente tudo, deve propor-se deputado. As eleições estão à porta.

JUDEU

Deputado! Mas se eu não souber ler nem escrever?

CICERONE

Melhor! pode já contar com a eleição; não há tempo a perder, vamos à igreja.

JUDEU

(Detendo-se.) Mas o demónio é o burro! aonde é que havemos de guardar este jumento?

CICERONE

Não tem dúvida. (Chamando um garoto.) Olé! vai-me meter este burro no Tribunal de Contas. (7) (Saem de braço dado.)

Alvin Toffler on Education

DEBUSSY

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Clube de Azeiteiros do Bar

Relativamente a este clube, que ainda se encontra em construção, aqui fica a referência do mesmo.
http://www.clubedeazeiteirosdobar.blogspot.com/
Até breve

Parabéns José Saramago


A 16 de Novembro de 1922, nasce, em Azinhaga (Ribatejo), José de Sousa Saramago, escritor português galardoado, em 1998, com o Nobel da Literatura.

Espionagem política

O ministro da Economia , Vieira da Silva, criticou as eventuais escutas de conversas do primeiro-ministro, José Sócrates, com Armando Vara, registadas no âmbito do processo Face Oculta, no qual este último foi constituído arguido."O que motiva essas forças e as pessoas que estão por trás do que me parece ser uma ilegalidade não é qualquer averiguação relativamente a qualquer processo de corrupção, é pura espionagem política, porque estar a ouvir um dirigente de um partido que também é primeiro-ministro sobre temas políticos e depois colocá-los nos jornais através de escutas cuja legalidade é mais do que duvidosa, considero isso algo de extremamente preocupante", declarou Vieira da Silva.
Os nossos dirigentes, a meu ver estão a ultrapassar os limites da razoabilidade democrática ao fazerem declarações como esta que não se percebe qual a intenção. Primeiro ninguém andou a escutar o primeiro ministro, mas sim Armando Vara, que por acaso telefonou ao senhor primeiro ministro. Depois onde está o respeito pela separação de poderes? Onde está a autonomia do Ministério Publico? Porque foram anuladas as escutas que levaram o juiz de Aveiro a concluir estar perante matéria passível de incidência criminal? Não queremos todos que a justiça se cumpra?

Na minha ingenuidade, e se fosse eu primeiro ministro, para que se acabasse de vez com todas as dúvidas (estas e outras), mandava que se publicasse o conteúdo das conversas, apagando é claro, aquilo que fosse de âmbito íntimo.

Porque se não há nada a esconder , então tem de se fazer justiça e prenda-se quem tenta denegrir, lançar dúvidas sobre o nosso primeiro ministro. É que, façam jus à vossa memória, nestes processos ninguém vai preso, ninguém é acusado, nem os que se sentem ofendidos, nem os que ofendem. Parece um teatro do absurdo.

Google Latitude

O mundo não pára , nem as invenções... Estas podem sempre ser positivas, não fosse a cabeçinha destorcida do ser humano, e ajudariam numa infinidade de situações. Vejamos a nova ferramenta do Google, A Latitude. O novo BIG BROTHER.

A Google acaba de anunciar duas novas funcionalidades no Latitude , uma aplicação para telemóveis que permite partilhar a localização de qualquer utilizador num mapa digital, em tempo real, junto da sua rede de contactos.
A partir de agora o Latitude já pode registar de forma exaustiva todos os locais por onde passou qualquer utilizador, sendo possível arquivar esta lista e consultá-la mais tarde. Para já, apenas é possível aceder ao seu próprio histórico e remover algum registo, mas o acesso aos dados dos elementos da rede de contactos está interdita, o que a acontecer constituiria uma clara violação da privacidade.
Sempre que está em execução, o Latitude poderá ainda alertar o utilizador sempre que um contacto está nas proximidades. Para tanto, qualquer utilizador terá de, previamente, tornar pública a sua localização junto dos membros da rede de contactos.
Para evitar alertas constantes sempre que chega ao local de trabalho ou regressa a casa, o sistema foi programado para fazê-lo apenas em locais onde não se desloca regularmente. Assim sendo, para poder receber um alerta terá de manter activado o histórico da localizações.

Fonte: Expresso

sábado, 14 de novembro de 2009

Clube de Azeiteiros do Bar

“Não sei o que possa parecer aos olhos do mundo, mas aos meus, pareço apenas ter sido como um menino brincando à beira mar, divertindo-me com o facto de encontrar de vez em quando, um seixo mais liso ou uma concha mais bonita que o normal, enquanto o grande oceano da verdade permanece completamente por descobrir à minha frente.” – Isaac Newton

Informamos todos os bloguistas que recentemente foi criado mais um espaço de conversa e diversão neste meio onde nos encontramos, com a preciosa ajuda do José Vieira.
Um Grande Bem-haja a este Grande Amigo.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Resultados autárquicas 2009 em Cantanhede

Sensivelmente um mês após a realização das eleições autárquicas é hora de fazer o balanço dos resultados obtidos no nosso Concelho. A esmagadora vitória do PSD na Câmara Municipal, Assembleia Municipal e em dezasseis das dezanove Freguesias, traduzem de forma cabal o trabalho efectuado pelo Partido Social Democrata, quer em campanha, quer, principalmente, no trabalho que tem desenvolvido no Concelho. Obviamente, que, histórica e ideologicamente, o Concelho é maioritariamente social-democrata, mas isso, por si só, não chega para explicar os resultados obtidos (66,89% para o executivo de João Moura contra os 27,23 obtidos pelo principal adversário Manuel Ruivo do Partido Socialista).
Vivemos, felizmente, num estado de direito democrático e o resultado das eleições não pode ser contestado, sendo revelador da vontade dos Munícipes em premiar o trabalho desenvolvido pelo PSD no Concelho e na própria campanha eleitoral que, como se sabe, tem alguma influência, se bem que não aquela que muitos lhe querem dar para justificar frustrações eleitorais.
Estas eleições revelaram que os Munícipes não se revêem no Partido Socialista, não vêem neste uma alternativa credível e este é o ponto de partida para os militantes do partido prepararem os próximos actos eleitorais. A mensagem não passa e os candidatos, nos quais me incluo, por ventura, não serão os ideais. Não se podem esquecer que as eleições não se ganham no ano das mesmas, há que demonstrar trabalho, intervenção e acção durante os quatro anos, não podendo ignorar mais de um quarto dos Munícipes que representam. O Partido Socialista nunca conseguirá ganhar as eleições autárquicas enquanto não demonstrar ser uma alternativa capaz, uma oposição sólida com um projecto definido e concreto para o Concelho. Os meus votos, a bem da pluralidade democrática, é que a Comissão Politica Socialista e todos os candidatos eleitos desempenhem o seu mandato condignamente, lançando as bases para uma futura vitória ou, pelo menos, para o encurtar de distâncias.
O que todos queremos é um Concelho mais forte e desenvolvido e isso só se obtém com uma boa liderança e com uma oposição capaz de interagir com a liderança, aprovando o que entende aprovar e apresentar alternativas em vez da pura abstenção ou voto contrário. Dizer não só para chatear é um principio que deve ser erradicado do nosso panorama politico.